Blog Oobj

Como emitir uma nota fiscal eletrônica sem GTIN?

4
emitir nota fiscal sem gtin Tempo de leitura: 2 minutos

Tire suas dúvidas sobre este padrão nacional e saiba como resolver rejeições que envolvem GTIN.

 

O que é GTIN?

GTIN é um padrão que foi criado e regulado pela GS1 e significa em português “Número Global do Item Comercial”, possuindo normalmente 13 dígitos. Ele é o número que aparece logo abaixo dos códigos de barras, que faz a identificação da estruturas de dados GS1 para produtos e serviços.

Além de possuir 13 dígitos, os GTINs podem ter o tamanho de 8, 12, ou 14 dígitos, isso vai depender da aplicação.

Mas esse padrão global possui outras particularidades além destas já citadas que podem gerar questionamentos. Pensando nisso, reunimos algumas das principais dúvidas básicas relacionadas ao GTIN.

 

Confira:

 

 

Qual a diferença entre GTIN e código de barras?

Os códigos de barras representam uma numeração dada a produtos, localizações, documentos, serviços, cargas, entre outros. O código serve para identificação, o que facilita a coleta de dados ao realizar a leitura pelo scanner. Já o GTIN é, basicamente, um tipo de código de barras gerenciado pela GS1. Porém, o produto pode ter outro código de barras interno, que nesse caso não se tratará do Número Global do Item Comercial .

 

 

Sou obrigado a ter GTIN no produto para emitir NF-e e NFC-e?

Para emitir NFe ou/e NFCe não é necessário ter GTIN. Porém, para ter um controle automatizado e estabelecer referência entre o código de barras do produto que está sendo vendido com a NFe, a marca do produto pode obter o padrão global e colocar o código de barras. Mas essa preferência é opcional.

 

Para emitir notas fiscais eletrônicas de produtos que não possuem códigos de barras com GTIN deverá ser informado no campo necessário a frase “SEM GTIN”.

 

 

Como saber se o produto faturado na NFe possui o código GTIN?

Para saber se o código do produto é associado à GS1 basta verificar os 3 dígitos iniciais. Eles identificam a GS1 do produto. No Brasil, os três primeiros dígitos são “789” e “790”. Porém, isso depende do país de origem, portanto, cada um terá as iniciais diferentes.

 

 

O que fazer com produtos importados que já possuem GTIN (internacional)?

Muitas pessoas ficam com dúvida se é necessário um novo código GTIN nacional para poder emitir a NFe ou não. Nesse caso, os códigos validados são apenas aqueles que possuem o prefixo do Brasil (789 ou 790).

 

 

O que preencher no cEAN e cEANTrib?

O cEAN deve ser preenchido com um dos códigos a seguir: GTIN-8, ou -9 ou -12, ou -13, ou -14. Colocar um deles irá depender do produto em si, como quantidade, tamanho, entre outros. O cEANTrib deve contar também algum dos códigos acima que identificam a unidade tributável do produto.

 

 

 

Como resolver rejeições com o GTIN?

A base de conhecimento da Oobj contém diversas resoluções de rejeições relacionadas à GTIN. Basta você digitar a sua dúvida no campo: “O que você está procurando?”. Para acessar a base: 

 

 

RESOLVER REJEIÇÕES GTIN

 

 

Confira também outros artigos sobre GTIN:

 

 

Fonte: GS1 Brasil

4 Comentários

  1. Olá. Preciso colocar código de barras nos meus produtos. Sou MEI e trabalho com salgados congelados. Os códigos podem ser sem GTIN?

    • Se sua empresa não é afiliada à GS1 e seus produtos não possuem códigos GTIN, você deve informar o literal SEM GTIN nos campos cEAN e cEANTrib no documento fiscal.

  2. Bom dia! Sou um representante de produtos que são importados, sendo que esse produtos em sua embalagem tem a informação Dun-14, mas na XML que vem da fabricante vem como SEM GTIN. Tenho que lançar nesse caso? há algum problema fiscal em relação a isso?ou posso continuar vendendo conforme as informações que vieram do fabricante?

    • Para um produto ser considerado possuidor do GTIN é necessário ter o prefixo do Brasil (789 ou 790) e estar cadastrado no CCG – Cadastro Centralizado de GTIN .
      Para mais informações referente ao processo que deve ser feito na situação relatada, sugiro que verifique com o seu consultor fiscal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ir para o topo